Qual a diferença entre Gestor e Diretor




Eu admiro demais os líderes que atendo nas sessões de coaching e mentoria. Aqueles que são gestores e buscam uma posição de diretoria dentro da empresa onde trabalham, ou então diretores que subiram recentemente ao cargo ou estão ali por serem donos do negócio. Para esses, eu sempre faço essa pergunta: e você sabe qual a diferença entre gestor e diretor?


Além do óbvio, cargo, salário e responsabilidade maior, existe algo na essência dessas duas posições que precisa ser bem compreendida, para que esses ambiciosos gestores consigam alcançar o que querem, uma vez saber onde está e para onde se quer ir é fundamental para traçar o caminho.


E você, sabe qual a diferença? Bom, vou te contar a história que sempre conto e que mostra claramente essa diferença. É algo que vi acontecer numa das empresas que trabalhei, quando ainda estava na área de tecnologia.


Eu trabalhava num projeto no Banco Bradesco, no centro de Tecnologia de Alphaville. O ano era 2009 e somente naquele local trabalhavam diariamente em torno de duas mil pessoas, ou seja, havia pelo menos dois mil computadores disponíveis no local. Nesse tempo, os computadores usados eram desktops, com CPU, teclado e mouse com fio e monitor CRT, ou seja, aqueles monitores grandes de tubo.


Numa sexta feira, por volta das 16h50, quando as pessoas já estavam saindo pro final de semana, um dos diretores passou pelo andar onde eu estava, parou na porta, olhou em volta, chamou um gerente e perguntou:


Diretor: Eu não autorizei a troca desses monitores pelos de LCD?

O gestor imediatamente respondeu: Sim, a troca já foi autorizada.

Diretor: E por que esses monitores ainda não foram trocados?

Antes que o gestor pudesse responder, o diretor disse: Segunda feira, isso tem que estar resolvido.


O diretor saiu e eu também. Na segunda feira pela manhã, quando eu entro no nosso andar, não havia sequer um monitor CRT, e pelo que conversei com meus muitos amigos de outros setores, lá todos estavam mudados também. Naquele final de semana, todos os mais de dois mil monitores CRTs haviam sido substituídos por monitores LCD porque um diretor deu a ordem e os gestores executaram.


Essa é a grande diferença entre gestor e diretor. Diretores resolvem, decidem e comandam em um nível macro, buscando pessoas que consigam criar estratégias e implementar suas visões. Gestores acatam a visão e a implementam, gerenciando recursos, coordenando atividades, controlando custos e prazos e liderando equipes para implementarem a visão maior.


Por que é fundamental entender essa diferença? Para gestores e diretores, saber que o cargo de diretoria requer operar em grande escala. É impossível ser diretor e ficar gerenciando detalhes das equipes, os recursos, os processos. Os diretores são detentores da missão, visão e valores da empresa, assim como conhecedores dos recursos e do futuro dos negócios. E dentro de sua área e em conjunto com as demais, movem as peças em bloco, para conseguir seus resultados.


Gestores, por sua vez, precisam gerenciar, sem microgerenciar, os recursos que têm para entregar a visão da diretoria. Cuidar de perto da sua equipe imediata, assim como de seus pares, para garantir que sua missão será concluída. Gestores precisam dominar os números da sua área, custos, prazos, receitas, equipe, produtividade, riscos. Além de comunicar a missão e inspirar a equipe a abraçar o médio e grande propósito.


Pra você, que é diretor ou gestor de uma empresa, percebe também essa diferença? Você está agindo de acordo com o seu cargo? E se almeja uma promoção, está buscando compreender e agir de acordo com o cargo que quer conquistar?


Nas minhas palestras, treinamentos e mentorias, tanto em grupo como individuais, eu procuro ajudar as pessoas a compreenderem essas nuances e buscar agir de acordo. Tudo começa na cabeça, na forma de pensar e entender o negócio. Não quer dizer que um diretor não vá nunca descer ao nível da função gerencial, ou o gestor nunca vá ter que acompanhar de perto algum trabalho, como acontece em jogos de futebol em momentos de decisão quando momentaneamente o goleiro vai para o ataque ou o atacante fica na defesa. Mas isso tem de ser a exceção, não a regra.


Um abraço,


Paulo Bomfim