Assim falava Elon Musk!



Elon Musk deu mais uma lição valorosa para a humanidade, que fica estarrecida com tantos feitos ilustres e inusitados que ele tem conquistado: a de que ninguém está acima do bem e do mal, e de que é importantíssimo ter pensamento crítico.


Recentemente veio a público um e-mail dele para todos os funcionários de uma de suas empresas, a Tesla, fabricante de carros elétricos altamente modernos. Na mensagem, um aviso de que o trabalho remoto acabou e aqueles que quiserem ficar perto do seu emprego, vão ter que fazê-lo presencialmente. E mais, disse que home office não é trabalhar.


Eu vi muita gente que valoriza demais o trabalho remoto soltando um "Espera!" quando viu que quem disse isso foi o Elon. Ora bolas, fosse qualquer outro, todo mundo mandava às favas. Mas o Elon Musk? O homem mais rico do mundo? Mais inteligente e versátil, cheio de jogadas certeiras? Como faz? Quem ousa criticar?


Tem muita gente pisando em ovos pra falar do que ele falou justamente porque o cara está em alta. E infelizmente, vivemos num mundo onde as redes sociais permitem que fãs ferozes protejam a unhas e dentes os seus queridinhos. E o Elon é um queridinho de muita gente. E aí que entra o que falei no começo do artigo: a lição de que ninguém está acima do bem e do mal, e a importância de ter pensamento crítico.


O Elon Musk vem se mostrando favorável a uma série de coisas que não estão sendo consideradas boas pela grande maioria das pessoas, ao mesmo tempo que demonstra uma certa incoerência em suas afirmações. Já disse que um jeito de acelerar o aquecimento de Marte seria jogar bombas nucleares nos polos, comprou e descomprou o Twitter, disse ser a favor de pessoas dizendo o que pensa, enquanto bloqueia quem fala mal dele, e se declarou Republicano, mesmo sempre contribuindo para campanhas dos Democratas também.


Veja, essa discussão sobre o trabalho remoto se torna mais encarniçada porque cada vez mais gente quer ficar em casa, ou então ir o mínimo de vezes ao escritório. Eu inclusive ouvi um episódio de podcast do Adam Grant, que é um psicólogo do trabalho, sobre uma pesquisa recente que mostra que o ideal de tempo de trabalho presencial nos escritórios é de 2 dias por semana.


Eu sei onde tem uma cilada nisso tudo. Se os funcionários da Tesla voltarem ao presencial e os resultados deslancharem, em tese, isso vai mostrar que ele estava certo. Ou não vai? Porque pode ser que sim, os resultados de rentabilidade da empresa, qualidade, prazo, venham a melhorar enormemente, mas e do engajamento, turnover e felicidade da equipe, como ficam? As pessoas vão querer continuar trabalhando lá e as que quiserem, vão ser mesmo felizes?


Se vai dar certo ou não na Tesla, vamos esperar pra ver. O que precisa ser observado é: funciona pra você? Funciona pra sua equipe? Pro seu modelo de negócio? Pra todos os setores ou só para alguns? Como atender talentos que querem passar mais tempo em casa?


Tirando os trabalhos que realmente são necessários presencialmente, o trabalho remoto permitiu realizar contratações em lugares onde não se esperava. Mão de obra tem sido oferecida e encontrada em cidades, estados e países diferentes, graças à possibilidade de se medir, gerenciar e entregar trabalhos à distância.


Não sei se o Elon está certo dessa vez. Sei que ele, como qualquer ser humano, é falível. E sei também que precisamos tirar as pessoas dos pedestais. Ter acertado no passado ou mesmo presente não garante acertos no futuro. E o que foi certo ontem, tem se mostrado muitas vezes inadequado hoje e no porvir.


É hora de parar de endeusar pessoas. De depender de salvadores. De acreditar cegamente em homens e mulheres. Devemos sim, continuar conversando, ouvindo, aprendendo com as ideias e experiências alheias. Mas acima de tudo, precisamos buscar o nosso próprio caminho e as verdades que atendam a nossa realidade.


O que pensa você disso tudo?

118 visualizações4 comentários

Posts recentes

Ver tudo